Blog

Saturno em Capricórnio – 2018 a 2020

Postado por:

Neste artigo, comentamos as tendências mundiais do trânsito de Saturno em Capricórnio, que começa a 20 de Dezembro de 2017 e termina no fim de 2020. Estudamos as condições deste ingresso, paralelos na História, o contexto político mundial, as retrogradações, uma pergunta horária sobre o tema e propostas pessoais.

Podemos dizer, sem dúvidas, que este ingresso de Saturno em Capricórnio (a “Montanha”) promete ser especial. Acontece precisamente durante o início do Inverno (no hemisfério norte), ou seja, a poucas horas da entrada do Sol também em Capricórnio.

 

Em termos práticos, Saturno encontra-se assim combusto, ou seja, “queimado” pelo Sol, pelo que este ingresso é uma raridade astrológica.

Ingresso de Saturno em Capricórnio –

20 Dez. 2017 – calculado para Lisboa

A última vez que aconteceu foi em 1664, quando o Sol estava também nos últimos graus de Sagitário (signo da Fogueira).

 

A Combustão de Saturno

O grande evento associado a este trânsito (que vigorou do fim de 1664 ao fim de 1667) foi o Grande Incêndio de Londres, em 1666, onde foi destruída a maioria dos prédios, correspondendo à habitação de 80 000 pessoas, quase 20 % da população da cidade.

Atendendo a que Saturno representa as estruturas (edifícios/ casas/ terrenos) e que o Sol representa o fogo / calor, não será de estranhar que os temas do aquecimento global e dos incêndios, mesmo nas cidades poderosas, possam ser significativos neste trânsito, até ao fim de 2020.

Uma consciência maior do degelo acentuado dos polos é também uma forte probabilidade já que se encaixa bem com a simbologia de Saturno em Capricórnio: terra fria que está nos extremos e, neste caso,podendo ser derretida pelo calor. Igualmente a atividade dos vulcões, porque são “montanhas com fogo”.

Por consequência, a regulação das atividades industriais e poluentes, terá que ser acelerada, em princípio. Não será também de estranhar que uma cidade desenvolvida (ou considerada moderna) possa ser parcialmente destruída, seja por um evento natural, acidente nuclear ou por um ato de guerra.

Durante este mesmo trânsito semelhante, no séc. XVII, verificou-se a Grande Peste de Londres, dois grandes terramotos e desenvolvimentos brilhantes da física de Newton.

Contudo, o ingresso de 2017 tem uma atenuante que pode ser muito significativa, para melhor: está conjunto a Vénus, estrela de paz e da temperança.

 

Os Trânsitos do Séc. XX

Nos trânsitos mais recentes de Saturno em Capricórnio, no séc. XX, embora não tivessem este astro combusto, verificaram-se os seguintes eventos:

– trânsito de 1929 a 1932 : Grande Depressão (desemprego, falências, crise económica, misérias, fome); Stalin nacionaliza os latifúndios agrícolas, e segue-se período de perseguições e fome; Marcha do Sal na Índia; depois de se declarar República, a Catalunha aceita ser parte da Federação de Espanha; conclusão do Empire State Building; proclamação da República Soviética da China por Mao-Tsé-Tung; Salazar torna-se primeiro-ministro de Portugal (neste ingresso, Marte opunha-se a Saturno e Urano estava em quadratura)

– trânsito de 1959 a 1962 (Janeiro): início da Guerra Colonial portuguesa; independência de colónias francesas em África; início da construção do Muro de Berlim; revolução comunista em Cuba e ascensão de Fidel Castro; primeiro homem no espaço; surgimento da pílula contraceptiva; maior terramoto alguma vez registado (neste ingresso, Saturno fazia conjunção a Mercúrio)

– trânsito de 1988 a 1991 (Fevereiro): queda do Muro de Berlim; reunificação alemã; renovação da URSS; fim do comunismo e quedas de regimes nos países de leste europeus; independência da Palestina; seca nos EUA; novo imperador do Japão; protestos de Tienanmen; começo do declínio da natalidade nos países desenvolvidos (neste ingresso, Urano e Lua estavam conjuntos a Saturno)

Embora perfeitamente compreensíveis dentro do arquétipo de Saturno em Capricórnio, estes trânsitos tiveram nuances diferentes, a que não será alheia a configuração de Saturno no momento do ingresso, com os outros astros.

Por exemplo, o trânsito mais dramático foi o de 1929 a 1932 e é curioso verificar que era aquele onde Saturno estava em maior tensão. O mais extraordinário, em termos de revolução política, foi o de 1989, e coincidiu com a conjunção de Urano, Lua (e Neptuno, embora mais afastado) a Saturno.

Em geral, o tema do comunismo esteve presente nestes trânsitos. Com a Grande Depressão, a política de Stalin e crescimento do comunismo houve uma grande fuga populacional do leste para o oeste da Europa (ciclo 1). A construção do Muro de Berlim, anos mais tarde, foi uma forma de bloquear, com uma “cortina de ferro”, essa emigração (ciclo 2). Com o mais recente trânsito, esse muro e todo o edifício comunista ruiu (ciclo 3).

 

Atualidade: Fronteiras e Muros

Quais as convergências com a atualidade? É que agora o tema das fronteiras e dos muros – pela crise dos migrantes, Brexit e eleição de Trump – continua na ordem do dia. Embora noutro contexto, também aqui há uma questão de desigualdades sociais e financeiras, êxodos e fronteiras.

Está marcada a saída oficial do Reino Unido da União Europeia em 2019 e certamente que este trânsito estará associado às consequências financeiras e políticas do Brexit. Por outro lado, as intenções de Trump controlar a imigração nos EUA só agora começam a ter efeitos práticos e legais.

Embora nem todos os trânsitos fossem igualmente difíceis, há claramente uma tendência de grandes alterações políticas e económicas, com problemas de recursos e mesmo fome.

É de sublinhar também que quase 90 anos depois, a Catalunha repete a vontade de ser independente de Espanha e que as últimas eleições catalãs que deram vitória ao bloco independentista realizaram-se praticamente no dia do ingresso, no fim de 2017.

Assim não será de estranhar que a reestruturação política, legal e financeira da UE, contemplando as autonomias, seja um tema dominante durante o trânsito, atendendo ao timing no qual surge este movimento independentista e o impasse criado.

Vemos deste modo que a questão das delimitações, fronteiras e nacionalidades – “quem sou eu e quem és tu” – tanto no plano internacional como no pessoal, será com grande probabilidade um mote significativo do trânsito.

A atenuante deste ingresso, como referido, é que Vénus está suficientemente perto de Saturno a ponto de sugerir a possibilidade de uniões, consensos e acordos, suavizando um pouco a combustão que, por si só, apontaria para um crescendo dos nacionalismos, na minha opinião.

 

A Reforma da “Terra”

Recordamos que Saturno e Capricórnio governam as grandes instituições como bancos, ministérios, empresas, Estados, moedas, para além dos próprios edifícios imponentes pelo que todas estas entidades serão desafiadas a serem verdadeiramente sólidas e profissionais, sob pena de morrerem e falirem.

Politicamente, está na agenda da U.E. a criação de um FMI europeu, a reforma do Euro e a concretização de maior união bancária. Vejamos se conseguem, realmente, avançar porque é o tempo do “agora ou nunca”

Este trânsito, até 2020, acaba por ser ainda mais especial por representar os últimos três anos do grande ciclo de Júpiter-Saturno em Terra, associado ao crescimento do materialismo nos últimos dois séculos. Podemos dizer genericamente que este trânsito representa o fim do capitalismo e proposta das sementes de uma sociedade muito diferente, mais cooperativa e ecológica.

Tradicionalmente, a agricultura está associada à Terra e, considerando que Urano também entra em Touro (outro signo de Terra) é fácil deduzir que os temas da ecologia e alimentação serão dos mais dominantes neste trânsito.

Pela positiva, Neptuno forma um sextil com Saturno, em parte significativa do trânsito, o que pode reforçar os movimentos mais espirituais, socialistas e ecológicos.

Por outro lado, a partir de 2020, Plutão faz conjunção com Saturno, trânsito que tradicionalmente tem um pendor mais exigente e pesado, em termos financeiros e políticos.

Incidentes mais graves com a Coreia do Norte são também prováveis, dado que o seu ditador é Capricórnio e que o ingresso de Saturno é caracterizado pela combustão, alertando para o perigo dos excessos dos líderes (Trump e Kim Jong Il) sobre as estruturas que governam.

É preciso ver também que no momento do ingresso, Saturno ascendia sobre Israel, pelo que toda a temática do Médio Oriente, e recente polémica sobre Jerusalém, poderá ser um tema que perdurará durante o trânsito, gerando mais tensões nas fronteiras.

Resumindo, este trânsito promete ser intenso na materialização de intenções políticas – sejam separatistas ou unificadoras – que até aqui estavam apenas latentes ou eram ameaças.

Destaca-se neste campo a maior separação do bloco anglófono com o bloco europeu, e desafios de organização de ambos, em termos financeiros, no meio de um ciclo que também pode ser mais fértil em intempéries – como tempestades, furacões, nevões, incêndios, secas ou sismos – no plano mundial, a pedir uma maior união de esforços contras as mudanças climáticas.

 

Pergunta Horária

Porém, podemos ainda recorrer a um método alternativo, para entender as tendências deste trânsito: a pergunta horária.

E, nesse sentido, coloquei a seguinte pergunta: “Quais os desenvolvimentos sociais e mundiais que este trânsito de Saturno em Capricórnio trará?”

A questão foi colocada a 23 de Dezembro de 2017, pelas 21h54, em Lisboa.

O ascendente está mesmo no fim de Leão, no último grau, um argumento para termos cuidado na análise. Contudo, como se trata de um trânsito de Saturno, de um ciclo terminal e que este ascendente está conjunto à estrela Régulus, do poder, valido a radicalidade do mapa.

Até porque este é o grau Ascendente do líder mundial com mais visibilidade atualmente, ainda que pelas piores razões: Donald Trump.

Uma vez que os EUA ainda são, militar e economicamente, os líderes do mundo – este mapa é centrado na sua atuação (e dos seus governantes) versus o resto do mundo.

A primeira coisa que reparamos é que o Sol e Saturno estão na Casa 5, área de vida que não associaríamos a Saturno. Esta área está ligada às crianças, aos filhos, aos jovens, à paixão, às artes, ao desporto, ao amor e à sexualidade.

E, por conseguinte, segundo este método estas seriam áreas claramente em destaque durante o trânsito de Saturno nos próximos três anos, e o que é um pouco contrário à expectativa apontada no enquadramento anterior.

Porém, se repararmos que um dos temas mais fortes dos últimos 2 meses (o Sol está afastado de Saturno a cerca de 2 graus), ou seja, a partir de meio de Outubro de 2017, foram os escândalos sexuais de Hollywood, então, esta configuração ganha outro sentido.

E, assim sendo, teria lógica que surgissem mais escândalos sexuais envolvendo pessoas em cargos de grande responsabilidade, além da área do cinema e do desporto, como até chefes de Estado, levando-os à destituição.

Este mapa também chama a atenção para o papel que os grandes artistas e desportistas podem ter na mudança da política mundial. E aponta para temas de igualdade entre sexos, homossexualidade, adopção de filhos, natalidade, dispositivos contraceptivos e fertilização assistida.

Por outro lado, acontecimentos com os “reis” e filhos dos “reis” – como Filipe VI de Espanha, a Rainha Isabel II e os príncipes Carlos, William e Harry ou Ivanka – poderão ser enfatizados, pelo que seria legítimo esperar alterações nas monarquias, para além de acontecimentos mediáticos como o casamento do príncipe Harry.

Quanto à Lua está em Peixes na Casa 7 e podemos considerá-la como representante do povo em fuga pelo mar – os migrantes – que nos últimos 3 anos têm aumentado (a Lua está no grau 3). O primeiro aspeto da Lua é um trígono com Marte em Escorpião, a 6 graus, ângulo que podemos ligar a possível novo ciclo de naufrágios ou furacões a 6 meses de distância – ou seja – Verão de 2018. Ainda que esta tendência possa ser atenuada por ser um trígono.

Mas em, geral, os aspetos aplicativos deste mapa são fluidos (e Vénus aproxima-se de Saturno) o que nos acalenta a esperança de, apesar dos imensos desafios da humanidade, haver criatividade suficiente para se encontrarem soluções para os grandes problemas.

(nota: para uma análise técnica mais detalhada deste mapa horário, ver as notas finais)

 

Trânsitos Pessoais

Embora o propósito deste artigo não seja focar temáticas pessoais, de acordo com a afinidade com cada signo (uma vez que há muitos artigos nessa vertente, na internet) deixo aqui umas últimas notas sobre o trânsito de Saturno em Capricórnio.

A proposta será, globalmente, a de concretizar os nossos grandes ideais, objetivos e crenças (que estiveram a ruminar nos últimos 7 anos) com trabalho, ambição e disciplina…ou então matá-los, de uma vez por todas e sermos pragmáticos, aceitando os limites e redefinindo outras metas.

Portanto, dependendo da nossa afinidade com Saturno (e forma com que encaramos a responsabilidade pessoal, regras e métodos) pode ser uma época de grande sucesso como de provação e “morte” simbólica.

A proposta é a de sermos realistas, práticos e pragmáticos. Sabendo planear e agir com eficácia e rapidez, sem entrar em grandes teorias, em grandes conversas ou em grandes choros. Ou seja, sem perder tempo – um recurso de Saturno.

Neste sentido, pessoas com afinidade com signos de Terra em trígono (Touro e Virgem) poderão sentir-se mais adaptados a esta proposta e, em seguida, os signos de Água em sextil (Peixes e Escorpião).

Capricórnio, em si, pelo efeito de conjunção será desafiado a novas ambições e esforços enquanto que Caranguejo será a energia tendencialmente com maiores escolhas de vida pela frente, devido ao efeito de oposição.

Quanto aos restantes signos, o trânsito será relativamente neutro para o Ar dissociado (Gémeos e Aquário) e para o Fogo dissociado (Sagitário e Leão) e mais desafiante para os signos de quadratura – Carneiro e Balança – para os quais a proposta de resiliência será maior.

Contudo, a interpretação mais precisa do trânsito está dependente da configuração natal (que depende de hora, local e data de nascimento) e da combinação com os trânsitos de outros planetas.

Lembramos que Saturno representa a maturidade – e quanto mais velhos e experientes, melhor lidamos com as propostas de responsabilidade deste astro, conseguindo mais realizações. Portanto, o maior aliado deste trânsito será, sem dúvida, a SENSATEZ.

Um abraço

João P. Medeiros

Lisboa, 25 de Dezembro de 2017


 
Nota 1 – As Retrogradações de Saturno

No percurso efetuado durante a passagem por Capricórnio, destacamos os seguintes momentos que são mais propícios a coincidirem com mudanças energéticas mundiais ou pessoais:

-20 de Dezembro de 2017: ingresso em Capricórnio

-2 de Abril de 2018: conjunção com Marte (a 8º58′)

-17 de Abril de 2018: estação para retrógrado (a 9º09′)

-6 de Setembro 2018: estação direto (a 2º33′)

-29 de Abril de 2019: estação retrógrado (a 20º31′)

-14 de Junho de 2019: oposição a Marte (a 19º00′)

-18 de Setembro de 2019: estação direto (a 13º55′)

-12 de Janeiro de 2020: conjunção com Plutão (a 22º47′)

– 11 de Março de 2020: ingresso em Aquário

-1 de Abril de 2020: conjunção com Marte (a 0º40′ de Aquário)

– 11 de Maio de 2020: estação para retrógrado (a 1º57′ de Aquário)

-2 de Julho de 2020: reingresso em Capricórnio (por retrogradação)

-29 de Setembro de 2020: estação para direto (a 25º20′)

– 17 de Dezembro de 2020: ingresso definitivo em Aquário


 
Nota 2: O mapa horário utilizado

Cada astro pode representar um fator importante das variáveis em curso no mundo atualmente. Assim sendo, faz sentido atribuir:

  • o Sol aos líderes mundiais com mais destaque  – EUA e Trump – e também porque o Ascendente faz conjunção ao de Trump, conjunto a Régulus, como referido
  • Saturno representará os outros países do mundo, em especial, os maiores aliados como a UE e as instituições mundiais (como a ONU), porque este astro está dignificado e representa as instituições (e na sua Casa 11 derivada, dos grandes grupos);
  • Vénus representará os objetivos de paz e progresso (rege também a casa 10, dos grandes objetivos);
  • Marte representará as tendências de guerra, terrorismo ou acidentes (rege a casa 4 – dos povos menos favorecidos e das fundações .- a própria Terra);
  • Mercúrio representará outros elementos ou países, bem como os meios de comunicação mundiais e transportes;
  • A Lua será o significador da população mundial em geral, mas do povo em fuga, em particular, e as classes mais pobres;
  • Júpiter representará outros grandes países, com atitudes mais competitivas ou militares, porque ao dispor de Marte e regendo também a Casa 8 – da morte (como eventualmente a Rússia, Turquia, alguns países árabes e eventualmente a China)

Vemos que a Lua é acolhida pela UE (Casa 7); que a UE (Saturno) está ensombrada pela atitude egocêntrica de Trump e dos EUA, mas que estes terão que se submeter às leis internacionais e instituições a ganharem força (Saturno acabou de entrar em Capricórnio enquanto o Sol não sairá de lá tão cedo).

Vénus a aproximar-se de Saturno é um bom indicador em relação à possibilidade de consensos e progressos na UE em cerca de dois anos, ou seja, no fim de 2019 e início de 2020.

Marte aproxima-se de conjunção a Júpiter a uma distância de 8 graus, pelo que é plausível o acentuar de tendências militares nos países representados por este astro, num período de possível de 8 meses (Agosto de 2018).

Como referido, a Lua dirigindo-se a um trígono de Marte é revelador da possibilidade de continuação de atentados e ou acidentes naturais, mas afetando mais os povos/ países desfavorecidos (e os representados por Júpiter que, neste caso, podem representar também os do Médio Oriente).

O facto de Vénus chegar a Saturno antes do Sol é um indicador favorável a maior progresso do Euro ( e da U.E.) do que do Dólar (e dos E.U.A.), durante este trânsito, ainda que possam continuar escândalos sexuais em ambos os lados (tanto Saturno com o Sol estão na Casa 5).

A Lua faz o que se pode considerar uma translação de luz entre o Sol (EUA) e Marte (conflitos), unindo estes pelo que sugere continuação dos processos jurídicos contra Trump que podem tomar um rumo mais substancial no Verão de 2018.


 

2

Comentários

  1. Rui Fernandes  Dezembro 27, 2017

    Os planetas retrógrados num mapa astrológico identificam também o passado com um possível carma?
    É possível contornar ou é algo que teremos de conviver ao longo desta encarnação?

    Cumprimentos
    Rui Fernandes

    responder
    • joaomed  Fevereiro 10, 2018

      Caro Rui, em determinadas circunstâncias – os retrógrados são talentos. E, portanto, claro que sim – podem ser contornados e bem aproveitados. Cmpts JM

      responder

Adicionar um comentário


Share This

Receba grátis o Ebook - 7 Mantras de Consciência , ao subscrever a newsletter!

  • Conheça os seus Mantras Pessoais
  • Crie uma Nova Realidade na Sua Vida
  • Saiba Quais os Seus Dias mais Fortes da Semana
  • Conecte-se com o Seu Melhor Potencial